As pessoas, os ecossistemas e a economia estão estreitamente relacionados. A natureza presta serviço para as pessoas quando faz chover regularmente e repõe a oferta de água para  uso humano, das indústrias, da agricultura; quando os insetos e outros animais polinizam plantas e possibilitam os frutos dos quais depende boa parte da produção de alimentos; ou quando corais e manguezais funcionam como barreiras que detêm o avanço do mar sobre as áreas costeiras e ilhas. Estes serviços, diretos ou indiretos, prestados pela natureza, chamamos de serviços ecossistêmicos.

O roteiro e a capacitação “Integração dos Serviços Ecossistêmicos no Planejamento Urbano (ISEU)” tem o objetivo de ser um material orientador voltado para tomadores de decisão e técnicos de entes governamentais federais, estaduais e municipais, que estão envolvidos em processos de planejamento urbano e que considerarão os serviços ecossistêmicos em políticas como o Plano Diretor Municipal e Zoneamento Ambiental Municipal (ZAM).

As cidades do século XXI devem mergulhar na perspectiva do desenvolvimento urbano sustentável garantindo qualidade de vida à população atual e futura. O reconhecimento da relação entre serviços ecossistêmicos e desenvolvimento urbano é crucial para o alcance das cidades e comunidades sustentáveis, idealizado no ODS 11 e, por isso, os aspectos do meio ambiente devem constar no planejamento. A proposta desse roteiro é, portanto, mostrar esse caminho a partir de cinco passos:

 

Seção I - Leitura do Território

Passo 1 - Compreendendo os diferentes atores e os serviços ecossistêmicos associados

Passo 2 - Identificando os serviços ecossistêmicos no território

Seção II - Formulação de Propostas

Passo 3 - Conflitos e sinergias dos serviços ecossistêmicos

Passo 4 - Instrumentos reguladores, incentivos e serviços ecossistêmicos

Seção III - Consolidação da Proposta

Passo 5 - Caminho para a transformação

 

A abordagem dos serviços ecossistêmicos tem o potencial de alavancar uma mudança de paradigma ao compreender a relação de troca e dependência com a natureza, passa-se a planejar o desenvolvimento considerando as sinergias e os conflitos. Assim, uma melhor compreensão dos serviços ecossistêmicos, de suas características espaciais e de suas inter-relações é necessária para levar a um instrumento prático de planejamento.

 

ISE Urbano Infografico