Segundo a ONU, atualmente 55% da população mundial vive em áreas urbanas e a expectativa é de que esta proporção aumente para 70% até 2050. São áreas que abrigam a maior parte das atividades econômicas e também as maiores emissoras de gases de efeito estufa e poluição, o que as torna vulnerável em relação as mudanças climáticas e eventos extremos.

Há mais de 40 anos, a GIZ, por encargo do Governo Alemão, incentiva e promove cidades sustentáveis, inclusivas e seguras como parte de sua abordagem ao desenvolvimento urbano sustentável. Os parceiros são instituições governamentais de diversos níveis: empresas, universidades, associações e sociedade civil. Em cooperação com instituições no país parceiro, a GIZ presta assessoria a nível local, regional e nacional, orientados por abordagens internacionais como a Agenda ODS 2030, o acordo COP 21 sobre mudanças climáticas e o processo Habitat III para a formulação da Nova Agenda Urbana.

 

PROJETOS DA GIZ QUE ATUAM NO TEMA DE DUS

 

C40 Cities Finances Facility

O C40 Cities Finance Facility (CFF) foi criado em resposta ao desafio da falta de projetos adequadamente preparados para financiamento nas cidades e capacidade inadequada dos municípios de preparar e entregar tais projetos. No Brasil apoia aos projetos “Curitiba mais Energia” e “Solário Carioca”. O objetivo principal dos projetos é reduzir as emissões e aumentar a resiliência climática em cidades através da mobilização financeira para ações em nível municipal. O projeto é implementado pela GIZ em parceria com o C40 (Cities Climate Leadeship Group).

  • Parceiros Políticos no Brasil: Prefeitura de Curitiba e Prefeitura do Rio de Janeiro
  • Financiadores: Ministério Federal da Cooperação Econômica e do Desenvolvimento (BMZ), Children's Investment Fund Foundation (CIFF), the Government of the United Kingdom e the United States Agency for International Development (USAID)
  • Mais informações: https://www.c40cff.org/

 

EEDUS

A provisão de moradia digna é um desafio considerável para muitas cidades no Brasil. O país carece de umas 6,9 milhões de unidades habitacionais, o que poderia aumentar a demanda por eletricidade e emissões relacionadas até 33,5 MtCO2 por ano. O BMZ, por meio da GIZ, apoia a integração de requisitos energéticos nas políticas de habitação social e programas de investimento. Além da revisão dos padrões habitacionais existentes, novas tipologias e soluções técnicas serão desenvolvidas por meio da abertura de concursos para arquitetos e construtoras.

 

FELICITY

Financing Energy for Low-carbon Investment - Cities Advisory Facility (FELICITY), implementado pela GIZ em cooperação com o Banco Europeu de Investimento (BEI), promove o desenvolvimento de projetos de infraestrutura urbana de baixo carbono no Brasil, China, México, Indonésia e Equador. O objetivo é promover o acesso à financiamento climático por governos subnacionais por meio de assistência técnica na preparação de projetos, capacitação, aprimoramento regulatório e fortalecimento de redes regionais e globais.

 

Mata Atlântica

O Projeto Mata Atlântica promove a conservação da biodiversidade e a recuperação da vegetação nativa em três regiões de mosaicos de unidades de conservação da Mata Atlântica, nos estados da Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná, a fim de contribuir para a mitigação e adaptação à mudança do clima. Para isso, o projeto atua com o apoio à elaboração de Planos Municipais da Mata Atlântica, à implementação de planos de manejo, e à execução de medidas de Adaptação baseada em Ecossistemas (AbE). Além disso, o Projeto visa expandir os instrumentos econômicos de restauração, por meio de consultorias e do apoio ao Programa de Conversão de Multas Ambientais.

 

ProADAPTA

O Projeto ProAdapta apoia diferentes atores nos mais diversos níveis, como o setor empresarial, a sociedade civil, municípios, estados e representantes de entidades do governo federal, na geração de capacidades para uma melhor implementação da agenda de adaptação. Em nível municipal, o projeto colabora com as Prefeituras de Santos-SP e Salvador-BA, na revisão e implementação de planos e estratégias voltadas à mudança do clima, incluindo o desenho e a implementação de medidas de Adaptação baseada em Ecossistemas (AbE).

  • Parceiro Político no Brasil: Ministério do Meio Ambiente (MMA)
  • Financiador: Ministério Federal do Meio Ambiente, Proteção da Natureza e Segurança Nuclear (BMU)
  • Mais informações: https://www.giz.de/en/worldwide/69877.html

 

ProEESA 2

O Projeto ProEESA visa atuar na melhoria das condições para implantação de medidas de eficiência energética nos prestadores de serviços de saneamento, por meio de ações junto às entidades reguladoras. Pretende-se, a médio prazo, alcançar reduções significativas nas despesas com eletricidade, assim como evitar consumos energéticos e perdas de água, com inerentes melhorias na conservação das redes de distribuição e nas instalações de bombeamento.

 

ProteGEEr

O Projeto ProteGEEr visa contribuir para a melhoria da gestão de resíduos sólidos urbanos (RSU) no Brasil, por meio da promoção da economia circular e a consequente proteção dos recursos naturais e redução das emissões de gases de efeito estufa (GEE). As principais ações consideram o aprimoramento de instrumentos regulatórios e de financiamento, além de políticas públicas de resíduos e clima no Brasil; o desenvolvimento de ferramentas de apoio a tomada de decisão e assessoria técnica à municípios para uma gestão otimizada de RSU. Adicionalmente apoia o fortalecimento de uma rede de pesquisa aplicada, inovação e conhecimento com Universidades e Institutos científicos entre o Brasil e a Alemanha.

 

TerraMar

O Projeto TerraMar apoia processos para o fortalecimento da gestão ambiental territorial integrada do espaço continental e marinho, contribuindo para a conservação da biodiversidade. Além disso, implementa medidas de conservação e uso sustentável da biodiversidade marinha e costeira, desenvolve estratégias para a integração de iniciativas de monitoramento da qualidade ambiental e promove capacitações nas áreas de atuação do projeto – Região dos Abrolhos e da Costa dos Corais.